Editora Contexto

Assunto
(0) items

Nunca houve tanto linchamento no Brasil, afirma sociólogo

Fonte: Blog Página Cinco por Rodrigo Casarin

O sociólogo José de Souza Martins, professor titular aposentado da USP, passou mais de 20 anos realizando pesquisas sobre os linchamentos para chegar a uma conclusão preocupante: nunca se linchou tanto no Brasil como hoje em dia. Pessoas recorrem ao que ele chama de justiçamento para, com as próprias mãos, punirem os culpados por crimes ou desvios dos mais diversos. Espancam, apedrejam, mutilam e até mesmo colocam fogo em quem é alvo da fúria. Martins reuniu e analisou os dados que levantou no livro “Linchamentos: A Justiça Popular no Brasil”, recém-lançado pela Contexto.

Prática antiga no país – o primeiro caso conhecido data de 1585 –, os estados que atualmente concentram o maior número desses crimes são São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e o Pará. Das vítimas, 10,2% são menores de idade, 43,8%, jovens de até 25 anos, 44,6%, adultos, e 1,4%, idosos. A cada dia, quatro linchamentos ou tentativas de linchamentos ocorrem no país, e mais de um milhão de brasileiros participou de ações do tipo nos últimos 60 anos. Para entender um pouco melhor essa realidade que vivemos, o UOL conversou com o sociólogo.

Após mais de 20 anos de pesquisas, qual a sua conclusão sobre o linchamento no Brasil?

A conclusão é a de que a prática dos linchamentos não é um fato novo e tem raízes profundas e mesmo antigas na sociedade brasileira. O Brasil lincha desde antes do aparecimento da palavra linchamento, no século XVIII.

Como e onde eles costumam acontecer com maior frequência?

Linchamentos tem ocorrido no Brasil inteiro. São mais frequentes em São Paulo, em Salvador e no Rio de Janeiro, nessa ordem. Mas nos últimos anos a onda de linchamentos tem se deslocado para o norte do país.

Quais foram os casos mais brutais com os quais você teve contato?

Todo linchamento é brutal. Minha pesquisa revelou que os linchamentos seguem um padrão, constituído por um elemento de itens de violência e crueldade, desde o apedrejamento da vida até sua cremação ainda viva. O que varia de um linchamento a outro é apenas o índice de crueldade.

Por que tantas pessoas preferem praticar a dita “justiça com as próprias mãos”? O que há de justo ou legítimo nisso?

Aparentemente, o justiçamento no lugar da justiça tem como fator principal a insegurança, o medo e a falta de confiança nas instituições responsáveis pela garantia de que crimes serão apurados e os criminosos punidos. No linchamento não há nada de justo nem de legítimo.

Há algum argumento válido para se defender ou legitimar os linchamentos?

Não há qualquer argumento válido para defender linchamentos. Todo linchamento é um ato irracional de violência coletiva, retrógrado.

E como a sociedade condena ou legitima esses atos?

A sociedade mal tem consciência de que é grande o número de linchamentos que pratica. Nem os condena, nem os legitima.

Hoje, no Brasil, há mais ou menos linchamentos do que no passado? Há alguma diferença entre o linchamento contemporâneo e o que era praticado em outras décadas ou séculos?

Lincha-se mais no Brasil de hoje do que em qualquer momento do passado. Os linchamentos de hoje seguem o mesmo padrão do primeiro linchamento de que se tem notícia, que é de 1585, em Salvador, Bahia. Muda apenas a motivação ao longo da história.

Como é possível combater esses linchamentos?

Os meios de comunicação de massa podem ter um papel na formação de uma consciência coletiva de que o linchamento é uma iniquidade, não reduz a criminalidade e, no limite, pode ameaçar até aqueles que acham que nada tem a ver com isso.