Editora Contexto

Assunto
(0) items
"MENAS", POR FAVOR!
EM CONFRONTO COM AS REGRAS DA NORMA CULTA, DUAS GRAMÁTICAS E UMA EXPOSIÇÃO DEFENDEM O MODO BRASILEIRO DE FALAR
MARIANA SHIRAI

FALE EM BRASILEIRO
O LINGUISTA ATALIBA TEIXEIRA DE ILHO COM UMA PROVA DE SUA GRAMÁTICA DO PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL



A GENTE VAMOS FALAR ERRADO MENAS VEZES. POR MAIS ESTRANHEZA QUE PROVOQUE HOJE, ESSA FRASE PODERÁ SER CONSIDERADA UMA MANEIRA CULTA DE USAR A LÍNGUA... NO ANO DE 2210. NEM ESTAREMOS NOS COMUNICANDO EM PORTUGUÊS, MAS SIM EM LÍNGUA BRASILEIRA. ESSAS SÃO ALGUMAS PROJEÇÕES FEITAS PELO LINGUISTA ATALIBA TEIXEIRA DE ILHO, PROFESSOR TITULAR DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) E ESTUDIOSO DA ÁREA HÁ MAIS DE CINCO DÉCADAS. "ACHO QUE EM 200 ANOS TEREMOS UMA LÍNGUA BRASILEIRA, TOTALMENTE DIFERENTE DO PORTUGUÊS EUROPEU E DO AFRICANO", DIZ ELE. "SÓ NÃO POSSO GARANTIR, PORQUE A LINGUÍSTICA NÃO É UMA CIÊNCIA DO FUTURO, MAS DO PRESENTE E DO PASSADO."

CASTILHO É AUTOR DE UMA DAS DUAS GRAMÁTICAS DO PORTUGUÊS DO BRASIL QUE ACABAM DE CHEGAR ÀS LIVRARIAS. OS LIVROS, SOMADOS A UMA EXPOSIÇÃO EM SÃO PAULO SOBRE AS DIFERENTES MANEIRAS DE FALAR DO BRASILEIRO, SÃO UMA TENTATIVA DE VALORIZAR OS DESVIOS DA NORMA CULTA PRATICADOS NO PAÍS. ELES QUESTIONAM A IDEIA DE QUE HAJA UMA MANEIRA CERTA E OUTRA ERRADA DE FALAR.

O FUTURO IMAGINADO POR ILHO PODE PARECER NADA "HAVER", MAS SE BASEIA EM TEORIAS FUNDAMENTADAS. O PROFESSOR ESTEVE ENTRE OS ACADÊMICOS QUE INICIARAM O ESTUDO DA LINGUÍSTICA (CIÊNCIA QUE TRATA DA LINGUAGEM VERBAL HUMANA) NO BRASIL, NA DÉCADA DE 70. DE LÁ PARA CÁ, PARTICIPOU DA CRIAÇÃO DE RELEVANTES TRABALHOS DA ÁREA, COMO A GRAMÁTICA DO PORTUGUÊS FALADO, PRIMEIRO ESTUDO DO GÊNERO ENTRE AS LÍNGUAS ROMANAS, PARA A HISTÓRIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO E A LINGUAGEM FALADA CULTA NA CIDADE DE SÃO PAULO. ELE SE APOIOU NO CONHECIMENTO ACUMULADO PARA ESCREVER A RECÉM-LANÇADA NOVA GRAMÁTICA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO (CONTEXTO, 768 PÁGINAS, R$ 69,90).

A OBRA NÃO É O TIPO DE GRAMÁTICA COM A QUAL ESTAMOS ACOSTUMADOS. "NÃO ESTOU PREOCUPADO COM O CERTO OU O ERRADO", AFIRMA ILHO . "FIZ UM RETRATO DA LÍNGUA COMO ELA É FALADA NO BRASIL, COM SUAS VARIEDADES." ISSO QUER DIZER QUE O LIVRO NÃO DEVE SER USADO COMO UMA REFERÊNCIA DE COMO FALAR OU ESCREVER DENTRO DA NORMA CULTA - O CONJUNTO DE REGRAS USADAS PELOS FALANTES CULTOS, DESCRITAS EM GRAMÁTICAS TRADICIONAIS. ELE MAPEIA OS DIFERENTES JEITOS DE USAR A LÍNGUA, INCLUINDO AÍ FORMAS QUE SERIAM CONSIDERADAS ERROS PELOS MAIS CONSERVADORES.